Viagens a regiões sagradas

A Terra está viva !

Basta se olhar ao redor para se perceber que tudo está vivo...que o planeta pulsa com vida, que por cada molécula do corpo Terra flui a força da vida.

“No curso da viagem há sempre alguma transfiguração, de tal modo que aquele que parte não é nunca o mesmo que regressa.”  Ítalo Calvino

Os Elementais

Silfos - os elementais do ar

Bóreas (N), o vento norte, frio e violento;

Zéfiro (O), o vento oeste, suave e agradável;

Eurus (L), o vento leste, criador de tempestades;

Nótus (S), o vento sul, quente e formador de nuvens;

Deuses do vento menores

Kaikias (NE), o vento nordeste;

Apeliotes (SE), o vento sudeste;

Lips (SO), o vento sudoeste;

Siroco (NO), o vento noroeste;

Romanos


Áquilo, deus dos ventos gélidos do norte, que trazem o inverno.
Aurora, deusa do amanhecer, mãe dos quatro deuses dos ventos. Aurora pode ser considerada deusa dos quatro ventos.
Auster, deus dos ventos do sul, que trazem a neblina e chuva.
Favonius, deus dos gentis ventos do oeste, que trazem a primavera.
Vulturnus, deus dos ventos quentes do leste, equilibrando o clima e temperatura.

Silfos ou Sílfides são seres mitológicos da tradição ocidental. O termo provém de Paracelso, que os descreve como elementais que reinam no ar, nos ventos, assemelhando-se a anjos. Têm uma capacidade intelectual sensível, chegando a favorecer o homem na sua imaginação. São reconhecidamente belos, assumindo vários tons de violeta e de rosa. As lendas contam que são os sílfos que modelam as nuvens com suas brincadeiras, para embelezar o dia-a-dia do homem na Terra.


Os Ventos - elemento ar

Na mitologia grega, os ventos (em grego, Άνεμοι — "Anemoi") eram 9 deuses responsáveis pelo vento. Éolo , Deus dos ventos, comandava todos os ventos; tanto as brisas leves quanto as piores tempestades. A cada um dos outros deuses era atribuído uma direção cardinal. Em especial a genealogia dos Quatro Grandes Ventos é controversa, por vezes são colocados como titãs, portanto filhos de Urano, o céu e Gaia, a terra. Entretanto existem outras descrições.

Signos: Gêmeos / Libra / Aquário

Viagens sugeridas:

Aurora Boreal

"Os asiáticos acreditam que quem tenha visto a Aurora Boreal viverá feliz o resto da sua vida. Especialmente, acredita-se que seja uma fonte de fertilidade."

As auroras boreais mais comuns têm uma cor verde-amarelada, e resultam do choque com átomos de oxigénio a alturas de entre 90 e 150 quilómetros. Também as auroras vermelhas, que ocasionalmente aparecem acima das verdes, são produzidas pelos átomos de oxigénio, enquanto que as azuis se devem aos iões das moléculas de hidrogeno. As auroras boreais produzem-se tanto no Inverno como no Verão, mas são invisíveis à luz de dia e, por isso, não se vêm no Verão. As épocas em que há mais probabilidades de vê-las são em Setembro – Outubro e Fevereiro – Março, a partir das 9 da noite, sendo que a melhor hora é por volta das 23:30.

A Aurora Polar – que pode ser Boreal (hemisfério norte) ou Austral (hemisfério sul) – é um fenômeno que está associado com o Vento Solar, um fluxo contínuo de partículas carregadas eletricamente originárias do Sol. Quando essas partículas atingem o campo magnético da Terra, algumas são capturadas por ele. Muitas destas partículas viajam em direção ao pólos magnéticos da Terra e, quando atingem átomos e moléculas na atmosfera, uma quantidade de energia é liberada. Uma parte dessa energia aparece sob a forma de luz, dando origem às auroras polares.

 

Ventos que movem as Dunas no Nordeste do Brasil

São montes de areia móvel depositada pelos ventos nas planícies arenosas do litoral. A ação contínua e multidirecíonal dos ventos provoca constante movimento das dunas, assim como mudanças de forma e tamanho, sendo então chamadas de dunas móveis ou ativas. Quando estas são cobertas pela vegetação (vegetação pioneira), são chamadas de dunas fixas.

Assim que o vento atinge uma velocidade mínima, os grãos são sugados da até então inanimada superfície de areia e entram na corrente do ar, sendo carregados na direção do vento. Tudo começa, portanto, graças a flutuações locais do ar, que ocorrem devido à natureza.

Jericoacoara.

As brancas dunas da região de Jericoacoara fazem parte do Parque Nacional de Jericoacoara desde o 2002, e são protegidas pelo Ibama. 

 

Dunas mais bonitas do Planeta:

White Sands National Monument

A apenas 25 quilômetros de Alamogordo, no estado de Novo México (EUA). São mais de 700 quilômetros de dunas brancas: o maior deserto de gipsita do mundo – uma verdadeira fonte de alegria e inspiração para fotógrafos. Algumas dunas chegam a medir 1200 metros. E porque são formadas por fragmentos de gypse, o calor do sol não é absorvido pelos fragmentos, facilitando a vida dos andarilhos que resolvem explorar a região no auge do verão. O que vemos hoje é o que restou do fundo de uma lagoa existente há milhões de anos.

Parque Nacional dos Lençóis

Este cantinho do Estado do Maranhão impressiona com seus 155 mil hectares. Muitas vezes chamada de “deserto brasileiro”, por apresentar formações de areia semelhantes a um deserto, a região tem um índice pluviométrico relativamente alto, que o desqualifica como tal. Por este mesmo motivo, forma uma das paisagens mais raras do planeta: refrescando suas inúmeras dunas, dezenas de lagoas de água doce. As dunas baixas movem-se com os ventos dando a impressão de que tudo é um imenso lençol.

Deserto da Namíbia

Aqui o tom é alaranjado, resultado do reflexo da luz solar no quartzo. E as formas sinuosas são moldadas pelos ventos do Kalahari e do Atlântico. Namib, o “enorme” deserto de aproximadamente 50 mil quilômetros quadrados é o mais velhinho da turma, com 80 milhões de anos. Suas dunas, as maiores do mundo, chegam a incríveis e desconcertantes 380 metros de altura.
Deserto do Saara

O maior deserto do mundo, com mais de nove milhões de quilômetros quadrados de área, abrange vários territórios africanos. É um verdadeiro mar de areia, cujas dunas podem chegar a 150 metros de altura. Infinitas rotas levam um aventureiro maluco a pensar que pode explorá-las sem problemas. Mas, na verdade, poucas são abertas para os turistas e a presença de guias – e camelos, sim senhor - é imprescindível. Além da garrafinha de água.
Death Valley National Park

O Vale da Morte está localizado ao norte do Deserto de Mojave, no estado da Califórnia (EUA). É extremamente quente, extremamente seco e (pasmem) extremamente liso: apenas um por cento de sua superfície é desenhada por montanhas de areia. Mesmo assim, as poucas regiões com dunas são de uma beleza rara.


Hefesto

Apesar de ser motivo freqüente de escárnio nas lendas gregas, foi muito venerada pelas dádivas por ele concedidas aos mortais.

Hefesto, na mitologia grega, era o deus do fogo. Filho de Hera e de Zeus, teria nascido feio e coxo. A mãe, envergonhada, o jogara do Olimpo ao mar. Foi recolhido pela titânia Tétis, que o educou na ilha de Lemnos. De volta ao Olimpo, esposou, por ordem de Zeus, Afrodite, a mais bela das deusas. Como deus do fogo, Hefesto tornou-se o ferreiro divino e instalou suas forjas no centro dos vulcões.

Ali fabricou os raios de Zeus, o tridente de Poseidon, a couraça de Héracles, as flechas de Apolo e as armas de Aquiles. Confeccionou também uma rede invisível em que aprisionou os amantes Afrodite e Ares para expô-los ao ridículo diante dos outros deuses e se vingar das traições da esposa.

Patrono dos ferreiros e dos artesãos em geral, é responsável, segundo a lenda, pela difusão da arte de usar o fogo e da metalurgia. Era geralmente representado como um homem de meia-idade, barbado, vestido com uma túnica sem mangas e com um gorro sobre o cabelo desgrenhado. Apresenta muitas semelhanças com o deus Vulcano, da mitologia romana.

Hefaistos para os gregos e Vulcano para os romanos.

O elemento do fogo é o mais importante, pois ele é uma expressão do Fogo Sagrado, de onde procedem a Chama Violeta e suas congêneres. Uma de suas atividades construtivas, no plano físico, é purificar através da incineração de detritos e de corpos humanos, a qual permite o retorno dos respectivos elementos ao Sol, para uma repolarização

No Sol, nas estrelas, nas fogueiras ou nas brasas, no nosso coração... sentimos a luz da vida. O fogo é o elemento das transmutações, da transformações. Sua força luminosa indica o caminho que deve ser seguido por aquele que conhece os ensinamentos do Universo. O fogo é a chama que, acesa dentro de nós, faz brilhar nossa aura e nossos olhos, revelando a força de nosso espírito. Ele conduza cada um à sabedoria interior.

As Salamandras, ou Espíritos do fogo, vivem no éter atenuado e espiritual que é O invisível elemento do fogo. Sem elas, o fogo material não pode existir.

Elas reinam no fogo com o poder de transformar e desencadear tanto emoções positivas quanto negativas. As Salamandras, segundo os especialistas, parecem bolas de fogo e que podem atingir até seis metros de altura. Suas expressões, quando percebidas, são rígidas e severas. Dentro de todas as formas energéticas (o fogo, a água e o mineral), estes seres adquirem formas capazes de desenvolver pensamentos e emoções. Esta capacidade derivou do contato direto com o homem e da presença deles em seu cotidiano. Por tal motivo, as Salamandras desenvolveram forças positivas, capazes de bloquear vibrações negativas ou não produtivas, permitindo um clima de bem estar ao homem.

O homem é incapaz de se comunicar adequadamente com as Salamandras, pois elas reduzem a cinzas tudo aquilo de que se aproximem. Muitos místicos antigos, preparavam incensos especiais de ervas e perfumes, para que quando queimados, pudessem provocar um vapor especial e assim formar em seus rolos a figura de uma Salamandra, podendo assim sentirem sua presença.

Signos: Áries / Leão / Sagitário

Viagens Sugeridas:

Há notícia de que no ano de 833 o cosmógrafo árabe Al-Juarizmi desenhou em Bagdad um mapa onde figurava a Terra do Fogo, mas essas terras só foram realmente conhecidas com Fernão de Magalhães, o navegador português que, ao serviço da Coroa de Espanha, descobriu a Terra do Fogo durante a primeira viagem de circum-navegação na segunda metade da década de quinhentos, quando percorreu o canal entre a ponta sul do continente - a Patagónia - e as ilhas da Terra do Fogo onde se encontram as águas do Atlântico e do Pacífico.

Situada nas margens do Canal Beagle, Ushuaia é a cidade mais meridional do planeta. Visite o Museu do Fim do Mundo e desfrute da natureza que rodeia esta cidade. Um trenzinho o levará até as portas deste Parque Nacional Tierra del Fuego, que conserva diversas espécies de flora e fauna

USHUAIA, CAPITAL DA PROVÍNCIA - É a cidade mais austral do mundo. Seu Museu do Fim do Mundo está dedicado aos indígenas, a natureza, a história local e aos naufrágios sucedidos na zona. 

A Terra do Fogo (em castelhano Tierra del Fuego) é um arquipélago na extremidade sul da América do Sul, formado por uma ilha principal (a Ilha Grande da Terra do Fogo, muitas vezes chamada igualmente Tierra del Fuego) e um grupo de ilhas menores. Sua superfície total é de 73.753 km² (semelhante ao território da Irlanda), sendo o arquipélago separado do continente sul-americano pelo estreito de Magalhães. A ponta mais a sul do arquipélago é o Cabo Horn.

Em 1881 o território foi dividido entre a Argentina (província da Terra do Fogo) e o Chile (província da Terra do Fogo).

As ilhas têm formação a partir do choque de placas tectônicas marinhas, formando um arco de ilhas, que no caso, são voltadas para sudeste. Essa formação indica a presença de rochas metamorfizadas, como por exemplo rochas magmáticas. Somando a isto, a região possui grande instabilidade tectônica, portanto há relatos e estudos sobre atividade de vulcanismo e terremotos.

As localidades mais importantes do arquipélago são Ushuaia, Rio Grande e Porvenir, as duas primeira na parte argentina e a última na chilena. Também pode ser conhecida com "Deserto da Patagônia".

Na região ocorre o fenômeno peculiar da Combustão Espontânea do Gelo, razão do nome da ilha. O fenômeno ocorre pois a intensa atividade vulcânica na região quando mescladas às frentes de ar frio antárticas causam um tilte nas leis da natureza que não sabem se congelam ou queimam, então fazem os dois

 Imagem:IceFire.jpg

Combustão Espontânea do Gelo, fenômeno presente apenas na Terra do Fogo

Islândia, Terra do Fogo e do Gelo

Erupções vulcânicas criaram a Islândia 25 milhões de anos atrás. A região fica sobre duas enormes placas tectônicas (a pele da Terra), a americana e a eurasiana. Por isso o país está se separando dois centímetros por ano.
A Islândia tem 270 mil habitantes e situa-se entre o norte da Europa e a Groenlândia. Sua ponta norte encosta no Círculo Polar Ártico. Tem áreas cobertas por geleiras e campos de lava, por isso foi batizada pelos vikings de terra do fogo e do gelo.

É lá que se situa a maior geleira do mundo, a Vatnajokull, que tem 8.300 quilômetros quadrados de extensão (maior do que todas as outras geleiras da Europa juntas) e uma espessura máxima de mil metros. Em cima dela, você pode passear de snowmobile (carro de neve).
A Islândia tem de 30 a 40 vulcões ativos e mais de mil vulcões que não entraram em erupção nos últimos mil anos. Uma erupção grande ocorre, em média, a cada cinco anos. Nos últimos mil anos, um terço de toda a lava que já escorreu sobre a superfície terrestre saiu da Islândia. O monte Hekla é o vulcão ativo mais famoso da Islândia e entrou em erupção em 2000.

Mas os vulcões não são apenas destrutivos: a mesma atividade geológica que cria os vulcões fornece uma energia limpa, que é usada pela maioria das casas na Islândia.

Lagoa em campo de lava

Na Islândia, os campos de lava surgem com o esfriamento da lava incandescente, expelida nas erupções vulcânicas. Trinta por cento da Islândia é recoberta de campos de lava. Quem vê essas regiões tem a impressão de estar na Lua. Os astronautas norte-americanos escolheram os campos de lava para treinar a descida à Lua. Em um deles fica a lagoa Azul, que solta vapor constantemente. A água parece azul, é quente, e a temperatura chega a 42 graus. A lagoa é cercada por rochas vulcânicas e seu leito é coberto de areia vulcânica preta.

Você sabia ?

A espécie de cavalo existente na Islândia é a que os vikings levaram da Noruega para lá. Descobertas arqueológicas, da época dos vikings na Noruega, mostram que esses cavalos pertencem a uma raça antiga, e que nos 1.100 anos que se passaram desde a sua chegada por lá, eles não cruzaram com nenhuma outra espécie. Os cavalos são baixos, musculosos e fortes, amigáveis, pacientes e confiáveis.

Noruega Sol da meia noite

Sol da meia-noite é um  fenômeno que ocorre nas latitudes acima de 66º 33’ 39" N ou S, ou seja, para além do círculo polar ártico ou do círculo polar antártico, quando o Sol não se põe durante pelo menos 95 horas seguidas. Em latitudes superiores a 80 graus, o Sol não se põe por mais de setenta dias sem o verão, ou seja, não há noites durante mais de dois meses.

[sunsetnoroega.jpg]


 

Poseidon

É o deus do mar e dos terremotos, foi quem deu os cavalos para os homens. Apesar disso, era considerado um deus traiçoeiro, pois os gregos não confiavam nos caprichos do mar.

Poseidon para os gregos e Netuno para os romanos.

Ondina ou ondim é um espírito da natureza que vive em rios, lagos e mares. São elementais da água. É uma espécie de sereia ou tágide, um génio do amor, uma figura da imaginação poética.

As ondinas aparecem em obras como "A Ondina do Lago", de Teófilo Braga ou nas poesias de Luis de Camões.

Agua:

A água é considerada como purificadora na maioria das religiões, incluindo o Hinduísmo, Cristianismo, Judaísmo, Islamismo, Xintoísmo e Wicca. O exemplo do batismo nas igrejas cristãs é praticado com água, simbolizando o nascimento de um novo ser, purificado com remissão dos pecados.

Seguindo um princípio semelhante, em outras religiões, incluindo o Judaísmo e o Islamismo, é ministrado aos mortos um banho de água purificada, simbolizando a passagem para a nova vida espiritual eterna. Ainda no Islão, os fiéis apenas podem praticar as cinco orações diárias após a lavagem do corpo com água limpa, no ritual de ablução denominado "wudu". No Xintoísmo e na Wicca, a água é usada em quase todos os rituais de limpeza dos praticantes. Na Nova Versão Internacional da Bíblia, o termo "água" é mencionado 442 vezes.

Na mitologia Celta, Sulis é a deusa das nascentes termais. No Hinduísmo, o rio Ganges é personificado como uma deusa, enquanto que Sarasvati é referida como a deusa dos Vedas. A água é também um dos "tatvas" (5 elementos básicos da natureza hindús, onde se incuem o fogo, a terra, o akasha e o ar). Em outras tradições, deuses e deusas são mencionados como patronos locais de nascentes, rios ou lagos, como no exemplo da mitologia grega e romana, onde Peneus era o deus do rio. Na religião Wicca a água é tida como um dos símbolos da Grande-Deusa, assim como o cálice e o caldeirão.

O antigo filósofo grego Empédocles, defendia que a água era um dos quatro elementos da natureza básicos, em conjunto com o fogo, terra e ar, sendo respeitada como a substância básica do Universo, denominada ylem.

Nas antigas tradições chinesas, a água era um dos cinco elementos, em conjunto com a terra, o fogo, a madeira e o metal.

Nas religiões neopagãs, como é o caso da Wicca, também existe a crença na existência de cinco elementos constituintes do Universo, sendo eles: o fogo, o ar, a água e a terra e o akasha(a manifestação da energia divina).

Signos: Câncer, Escorpião e Peixes

Águas Mistícas.

Jiuzhaigou significa “vale das nove aldeias”, porque antigamente lá existiram de fato nove povoados, mas atualmente há outros números mais importantes. Cerca de 80 hotéis aglomeram-se, arrumados no mesmo local, junto à embocadura do vale em forma de Y com 30 quilómetros de extensão localizado nas montanhas Min, na região central da China.

Viagens Sugeridas:

Uma linda lenda tupi-guarani explica o surgimento das Cataratas do Iguaçu. "Há muitos anos atrás, o Rio Iguaçu corria livre, sem corredeiras e nem cataratas. Em suas margens habitavam índios caingangues, que acreditavam que o grande pajé M’Boy era o deus-serpente, filho de Tupã. Ignobi, cacique da tribo, tinha uma filha chamada de Naipí, que iria ser consagrada ao culto do deus M’Boy, divindade com a forma de grande serpente. Tarobá, jovem guerreiro da tribo se enamora de Naipi e no dia da consagração da jovem, fogem para o rio que os chama: - "Tarobá, Naipí, vem comigo!" Ambos desceram o rio numa canoa. M’Boy, furioso com os fugitivos, na forma de uma grande serpente, penetrou na terra e retorceu-se, provocou desmoronamentos que foram caindo sobre o rio, formando os abismos das cataratas. Envolvidos pelas águas, caíram de grande altura. Tarobá transformou-se numa palmeira à beira do abismo, e Naipí, em uma pedra junto da grande cachoeira, constantemente açoitada pela força das águas. Vigiados por M’Boy, o Deus-serpente, permanecem ali, Tarobá condenado a contemplar eternamente sua amada sem poder tocá-la.

Na época das cheias, chegam a ser a 3ª maior do mundo em volume de água.

Foz do Iguaçu.

 Maior queda d´água do mundo é a Salto Angel, localizada na montanha Auyan Tepui, na Venezuela. 

  

Cataratas do Niagara

 

 

Démeter

Era a deusa das colheitas, dispensadora dos cereais e dos frutos. Quando Hades, deus do inferno, levou sua filha Perséfone como sua esposa, negou seus poderes à terra, e esta parou de produzir alimentos; a solução de Zeus foi que Perséfone passaria um terço do ano no inferno, com seu marido, e o restante do tempo com sua mãe, no Olimpo. Dessa forma, Démeter abrandou sua ira e tornou a florescer nas colheitas.

Démeter para os gregos e Ceres para os romanos

Na mitologia criacionista neopagã são os responsáveis pela solidificação de toda matéria.

Todos os itens ligados à terra (terra, areia, argila, pedras, plantas...) são relacionados aos gnomos.

No corpo humano, agem principalmente nos ossos e nos sais minerais.

Como os signos de Touro, Capricórnio e Virgem são ligados às terra, as pessoas desses signos também uma maior ligação com esses seres mágicos, absorvendo portanto, em maior quantidade, as características relacionadas a eles.

Todos os gnomos são regidos pelo Rei Ghob, a quem os praticantes de magia invocam durante os rituais com esse elemento. Já os magistas angelicais geralmente invocam o arcanjo Uriel para lhes auxiliar nessas práticas.

Direção: norte. Símbolo no hermetismo: quadrado amarelo. Cores esotéricas: marrom e o verde. Instrumentos de invocação na Wicca: o Pentáculo.

Signos: Touro / Virgem / Capricórnio

Viagens Sugeridas:

México Egito

Yonaguni-Jima ( em baixo da agua no Japão )

 

Água, Terra, Fogo e Ar

Chapada do Veadeiro : Patrimônio Mundial Natural

Localizada a 230Km de Brasília, a Chapada dos Veadeiros (no início "Veadeiros" como referência aos caçadores de veado-campeiro) foi povoada pelos índios Goyazes, os quais foram dizimados por volta de 1592 pelos bandeirantes que abriram as primeiras trilhas em busca de pedras preciosas e ouro.

Em 1912 migraram para a Chapada, onde hoje existe o povoado Moinho, um grupo de Egípcios para plantio de trigo. Na mesma época, teve início a corrida ao garimpo de cristais de quartzo na região onde hoje se encontra o vilarejo de São Jorge.

Criado em 1961 pelo presidente Juscelino Kubstichek, o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros teve a principio o nome Parque Nacional do Tocantins com uma área de 625 mil há. Desde 1981, com dez por cento de sua área original (aproximadamente 65 mil há), o Parque vem se destacando como uma das unidades de conservação mais bem organizadas e preservadas do país

Quem nela se aventura, vivencia a oportunidade única de se banhar numa das últimas reservas de água pura do mundo, pisar em solo de mais de 1,6 bilhões de anos numa das regiões de maior luminosidade do planeta devido ao incrível acúmulo de cristais que brotam do chão.

Das suas encostas nascem água pura e cristalina formando lindas e contemplativas cachoeiras com quedas de até 120 metros, canyons, jardins de pedras, mirantes e vales incontestavelmente abençoados pela natureza.

Encravado no coração do país, tendo o cerrado de altitude como vegetação predominante na região mais alta do Planalto Central, a Chapada se constitui num enorme platô com altitude de até 1.691 metros, deixando crescer aos seus pés, uma cidade muito especial, habitada por gente que deixou a vida urbana para morar perto da natureza e viver uma vida diferente, tão diferente quanto o próprio nome: Alto Paraíso.

Santo Amaro da Imperatriz:

Santo Amaro da Imperatriz, a 37 quilômetros de Florianópolis, em Santa Catarina, é uma das opções para quem quer aproveitar para descansar longe das areias. Considerada uma "cidade milagrosa", Santo Amaro transmite energia e pureza. Ali, a "cura" do estresse, do cansaço e de vários outros problemas vêm das águas. As dez fontes termais, que emergem de terrenos de quinhentos milhões de anos de existência na região de entorno da Serra do Tabuleiro, atraem turistas de diversos estados brasileiros e até de países vizinhos em todas as épocas do ano. Todos vão em busca desses "milagres".

A distância não é problema para quem deseja beneficiar-se das águas de ação desintoxicante e hidratante, que têm indicações terapêuticas para o aparelho digestivo, renal e sistema nervoso. Colabora, ainda, no tratamento do reumatismo, de doenças metabólicas e da pele. Tais propriedades seriam a conseqüência da origem das águas. "A hipótese geológica mais provável é a de que a água da chuva desce pelas fendas de formação rochosa e encontra, a mais de mil metros de profundidade, rocha em fusão. Sobe por pressão de temperatura e vai trazendo traços dos minerais presentes nas rochas, a maioria granito. Acaba retornando aquecida e mineralizada", explica o biólogo Fernando Brüggemann, que há 15 anos desenvolve um trabalho de educação ambiental.

Além das trilhas, existem opções bem mais suaves de caminhadas para observar espécies vegetais e aves - entre elas o beija-flor-de-fronte-violeta, o saíra-militar, o canário-do-campo, o dançador, o macuco e várias espécies diferentes de tucanos. Com um pouco de sorte pode-se também ter contato com outros animais nativos, a maioria em perigo de extinção, mas que ainda sobrevivem e habitam a região, como o macaco-prego, a anta, o tamanduá, o veado-mateiro, o puma, a jaguatirica e mesmo o maior felino das Américas, a onça-pintada.

A cidade abriga fontes de águas termais com temperatura de 39o.C, estando considerada entre as melhores do mundo. As águas termais comprovadamente possuem propriedades medicinais que auxiliam na cura de diversas doenças, como artrites, artroses, tendinites, além de ajudar na diminuição do stress e proporcionar relaxamento.

As fontes termais emergem de terrenos e as rochas dominantes são as micaschistos e os gneiss, cortados por veios de diabeses e de pegmatitos e pelo granito. Atribui-se a origem da águas a um derrame triássico, que invadiu todo o sul do Brasil.

É a estância hidromineral mais conhecida do Estado e, segundo especialistas, suas águas são as melhores da América do Sul, sendo a segunda melhor do mundo em qualidade, precedida apenas por Vicky, na França.

Desde a mais remota antiguidade que os seres humanos estabelecem uma relação particular com estas emanações da terra. a estas águas, com caraterísticas físicas e químicas fora do padrão comum, foi atribuída uma proveniência divina, com propriedades terapêuticas o qualificativo de "santa" ou o padroado de uma divindade pagã, de um anjo, de um santo ou de uma santa são muito frequentes no mundo termal.

Um reino ambíguo e ambivalente, em que o que hoje cura pode matar amanhã. neste processo tem a palavra o psiquismo mais profundo, que pode determinar o apogeu e a queda de uma estância termal. as mesmas termas podem hoje curar doenças difíceis de tratar, como podem amanhã constituir um perigo para a saúde. o exemplo de Águas Radium, em Caria, é apenas um entre muitos. ali, a descoberta dos malefícios da radioatividade instilou o medo que fez passar para plano inferior os benefícios terapêuticos da mesma radioatividade. noutros casos, a perda da crença, ou o desaparecimento dos crentes, fez perder a virtude curativa. noutros casos ainda, dá-se um súbito renascer do potencial de cura de uma certa fonte.

De início, todas as caldas, termas e fontes eram gratuitas e ao ar livre. mas os Impérios e os Estados sempre procuraram controlar esses lugares de culto e de cura, acrescentando-lhes uma envolvência de lazer e de prazer do espírito e do corpo (*). os Gregos, os Romanos, os Árabes, os Reis e as Repúblicas construiram edifícios e parques em redor dos quais nasceram cidades importantes ou se arrumaram povoações que, de outro modo , não teriam surgido. a toponímia ainda nos revela, aqui e além, a intervenção dos poderosos no reino das águas: Caldas da Rainha, Caldas de Reis, Caldas do Bispo, Chaves, Termas da Imperatriz...

Termas" (do grego) e "Caldas" (do latim) são sinónimos. significam "(águas) quentes".
hoje em dia as termas tornaram-se um destino interessante para gente urbana a contas com o stress e maleitas associadas

Baños (ou Banhos ) de Bande (Gz.) - estão desativadas estas termas, que foram importantes na época romana sob o nome de "Aquis Querquernis", isto é, "as termas dos Querquernos", nome de uma tribo autóctone. estavam no trajeto da estrada romana de Braga a Astorga.

Lugares Sagrados na Terra. 

A cidade sagrada de Jerusalém possui cerca de 3 mil anos de história e é o centro espiritual das três principais religiões monoteístas: judaísmo, islamismo e cristianismo. Possui numerosos pontos históricos e vários santuários.

A Palestina foi colônia britânica até 1948, quando uma resolução da ONU determinou o seu desmembramento em dois estados independentes: Israel (judaico) e Palestina (muçulmano e com um território menor que o da antiga Palestina). Nesta resolução Jerusalém foi declarada uma cidade internacional. Com a saída das tropas britânicas, Israel e Palestina entraram em guerra. Os israelenses foram vencedores, mas batalhas e movimentos terroristas se seguem até hoje pela libertação da Palestina.

Desde 1967 Jerusalém é completamente dominada pelo estado de Israel.

Fora dos muros da antiga Jerusalém, nasceu uma Jerusalém moderna, onde habitam cerca de meio milhão de pessoas

ISRAEL

Muro das lamentações em Jerusalém e Santo Sepulcro ..

  

 

PERU  

Machu Picchu  

  

 

INDIA 

Uma das civilizações mais antigas do  planeta, a Índia é um país de contrastes. A diversidade de línguas, hábitos e modo de vida não impedem que haja uma grande unidade na cultura do país.Ao mesmo tempo que cada estado tem seu próprio modo de expressão, como na arte, música, linguagem ou culinária, o indiano é profundamente arraigado ao sentimento de amor à sua nação e tem orgulho de sua civilização ancestral, o que mantém vivas até hoje muitas tradições.

Talvez pela profusão de deuses adorados por diferentes segmentos da sociedade, a tolerância religiosa é algo inerente aos indianos acostumados a conviver com a diversidade, como as línguas diferentes faladas muitas vezes por vizinhos. Nos dias de hoje ocorrem conflitos religiosos, mas isso não pode ser considerado característico.

Muita coisa causa estranheza no ocidente, pois são muitos símbolos, muitas deidades, muitos rituais. A maioria é relativo ao Hinduísmo, que ainda é a religião com mais seguidores na Índia, seguido pelo Islamismo e o Budismo. O Hinduísmo é tão antigo quanto a civilização da Índia, tanto que a palavra "hindu"é erroneamente usada para dizer " indiano", e toda a simbologia é vista pelos outros países como se representasse a própria Índia.

"Por quê Ganesha tem cabeça de elefante? Como o ratinho tão minúsculo pode ser o seu veículo? Porque algumas pinturas mostram os deuses e deusas com tantos braços? "Não podemos entender a Índia sem entender o significado de símbolos como o Om , a swastika, o lotus que revelam fatos sobre a cultura do país, desenvolvidos por centenas de milhares de anos. Apenas aqueles que estudaram a cultura intensamente podem entender o significado intrínseco desses símbolos, mas é uma obrigação moral de todo indiano se dedicar ao conhecimento da simbologia cultural da Índia.

SÍMBOLOS

A principal mensagem dessa cultura é a aquisição de conhecimento e a remoção da ignorância. Enquanto a ignorância é como a escuridão, o conhecimento é como a luz.
A lamparina, chamada de deepak tem muita importância como símbolo pois, tradicionalmente feita de cerâmica, representa o corpo humano porque assim como o barro, também viemos da terra. O óleo é queimado nela como um símbolo do poder da vida. Uma simples lamparina quando imbuída desta simbologia chama-se deepak e nos dá a mensagem de que toda e qualquer pessoa no mundo deve remover a escuridão da ignorância fazendo o seu próprio trabalho.Nos templos, sempre se oferece uma chama, significando que tudo que fizermos é para agradar a Deus.

Outro símbolo que causa curiosidade para os ocidentais é o Om, que representa o poder de Deus, pois é o som da criação, o princípio universal, entoado começando todos os mantras. Diz-se que os primeiros yoguis o ouviram em meditação, e esse som permeia o cosmos. É o número um do alfabeto, é o zero que dá valor aos números, é o som da meditação.

A flor de lótus, presente em muitas imagens, devido ao fato de crescer na água pantanosa e não ser afetada por ela representa que devemos ficar acima do mundo material apesar de viver nele. As centenas de pétalas do lótus representam a cultura da "unidade na diversidade".

A swastica, que causa estranheza quando é vista, pois para o ocidente é relacionada com o nazismo, é na verdade um símbolo de auspiciosidade, bem estar e prosperidade.Acima de tudo é uma bênção.

As divindades, com seus muitos braços, cada um deles carregando objetos ou armas, símbolos em si, como o lotus, livro, indicam as direções, a maioria representa os quatro pontos cardeais: norte, sul, leste e oeste. Qualquer poder do espírito supremo é chamado deus ou deusa, apesar de Deus ser Uno e Absoluto. Por isso são tantos, pois são muitas as manifestações de Deus.

RELIGIÃO

Outra coisa que é absolutamente importante para entendermos a cultura indiana é a crença na reencarnação, que para os hinduístas, assim como para muitas outras religiões, é um preceito básico e incontestável. Sómente considerando isso é que um ocidental pode entender o sistema de castas. Na filosofia indiana a vida é um eterno retorno , que gravita em ciclos concêntricos terminando no ceu centro, coisa que os iluminados atingem. Os percalços do caminho não são motivo de raiva , assim como os erros não são uma questão de pecado , mas sim uma questão de imaturidade da alma.. O ciclo completo da vida deve ser percorrido e a posição da pessoa em cada vida é transitória. Essa hierarquia implica em que quanto mais alto se chega na escala maiores são as obrigações. A roda da vida cobra mais de quem é mais capaz. Um Brâmane, por exemplo, que é da casta superior, dos filósofos e educadores, tem uma vida dedicada aos estudos e tem obrigações com a sociedade. As outras castas são: Kshatriya, administradores e soldados, Vaishya , comerciantes e pastores e Sudras , artesãos e trabalhadores braçais. Antigamente esse sistema de castas era seguido como lei, mas depois que Mahatma Gandhi, o grande personagem da libertação da India, contestou isso em nome dos direitos humanos, hoje na India a mobilidade social já se faz presente.

Mas nem tudo é hinduísmo na India. O seu maior cartão postal, o Taj Mahal, é uma construção muçulmana, um monumento ao amor, pois foi construido pelo rei para sua amada que morreu prematuramente. É uma das maravilhas do mundo, feito com mármore branco e ricamente decorado com pedras preciosas.

O Islamismo é fundamentado sobre a crença de que a existência humana é submissão (Islãm) e devoção a Allah, Deus onipotente. Para os muçulmanos, a sociedade humana não tem valor em si, mas o valor dado por Deus. A vida não é uma ilusão, e sim uma oportunidade de bênção ou penitência. Para guiar a humanidadde, Deus deu aos homens o Corão, livro revelado através do Anjo Gabriel, ao seu mensageiro, o Profeta Maomé, por volta do ano 610 DC. Um século depois, houve a grande invasão a Sind, que hoje está fora da India, na região do Paquistão, onde a língua Urdu , introduzida naquela época na região, permanece até hoje .Devido a fatores políticos, o Islamismo se espalhou pelo norte e hoje temos um grande crescimento dos seguidores do Islãm por toda a India.

Por volta do século XV o Islam estava dominando o norte da India e se tornou muito intolerante, não admitindo a existência daqueles que não acreditavam na sua religião. Os hindus estavam vivendo em condições desumanas, sendo reprimidos e até massacrados e as mulheres eram maltratadas. Por outro lado os hindus , com suas divisões de classes, suas superstições e parafernália de rituais, depois de séculos de invasões e dominação, passaram a ser humilhados em seu próprio país, proibidos de construir seus templos e até velar seus mortos. Nesse contexto surgiu o Guru Nanak , que mostrou que ambas as religiões estavam se distanciando dos princípios de Deus, de paz e amor na humanidade e inaugurou o Sikhismo, uma religião baseada em valores universais : amor, liberdade, dignidade, tolerãncia, harmonia, amizade, realização pessoal , auto confiança, serviço, caridade e sacrifício. Para um Sikh a geração de riqueza não é irreligioso, se for em benefício da sociedade e não apenas para si próprio. È uma fé baseada na realização de Deus dentro de cada um neste mundo e não depois da morte. .

O Budismo também se faz presente, já que a India é a terra onde nasceu Buda, e onde tudo começou. No tempo do Imperador Ashok, o grande rei unificador da Nação indiana, a maior parte se converteu ao Budismo, que alguns chamam de filosofia e não religião, pois não existe adoração a Deus e o ser humano é levado a conquistar a paz interior pelo caminho do meio, ou seja, o equilibrio. O sofrimento é causado pelo desejo e a prática da meditação é usada para aquietar a mente e procurar atingir o Nirvana, o estado de perfeita paz. As mais impressionantes representações do Budismo da época áurea se encontram nas cavernas de Ajanta e Ellora ,em Aurangabad. Esta última consiste em templos e monastérios erguidos pelos monges budistas , hinduístas e jainistas e contam a história das três religiões.

A vida do indiano é dividida em quatro fases, e essa divisão se chama Ashrama: a infãncia , a juventude, que é absolutamente devotada aos estudos, (não existe namoro nesta fase) , o tempo de se constituir familia, que é pela tradição arranjada pelos pais (este hábito está caindo em desuso com os tempos modernos) e na velhice a vida é dedicada à realização espiritual. Tal modo de vida mostra a grande importância dada ao conhecimento, e um grande número de indianos , apesar do alto índice populacional do país, e da pobreza que é conseqüencia disso, tem escolaridade e fala mais de uma língua.

* Estes três deuses formam a grande trindade hindu (Trimurti) e unidas são adoradas como tal, representam os três aspectos (criação, preservação e destruição) do poder divino.

    

Varios são os lugares sagrados no mundo, hora por sua localização, acontecimentos históricos, ou até mesmo pelo nascimento de seus Santos e Deuses.

Não importa para onde vc escolha ir. O Importante é absorver o máximo da energia do lugar e sentir-se Uno com o Universo .

  • Santiago de Compostela
  • Fátima
  • Região dos lagos e Vulcões
  • Ilha de Páscoa
  • Tibet
  • Avalon
  • Jordânia
  • Turquia 
  • Grécia
  • Brasil, e muitos outras opções

 

Escolha seu destino e inicie esta viagem ao conhecimento dos costumes, cultos e povos ao redor do mundo.

A todos que visitam esta página uma vida serena de Amor, Paz e Luz. Obrigada.

Consulte tarifas para seu destino

TATY AMARAL TURISMO

(11) 3214-6147

www.tatyamaral.com.br

Fontes de  pesquisa: Toponimialusitana / Wikipedia / Freeweb / Indiaconsulate / geocities.com / mundodosfilosofos


 
Taty Amaral - Consultoria e venda de viagens nacionais e internacionais